Novidades,

Terreiro Mokambo é tombado como patrimônio da Bahia

Hoje, quinta-feira, 6, é um dia especial para o candomblé, especialmente o de tradição angola. Mais um templo sediado na cidade foi reconhecido como patrimônio do Estado da Bahia: o Terreiro Mokambo, de nome sagrado  Onzo Nguzo za Nkisi Ndandalunda ye Tempo.

Liderado pelo tata de inquice, Anselmo Santos, o templo é dedicado aos inquices Dandalunda e Tempo, além de cultuar o caboclo Pena Dourada. O tombamento do terreiro foi decretado pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac).

“Hoje para mim é um dia especial e abençoado. Obrigado por ser brasileiro, por ser adepto do Candomblé, por ser de origem Bantu de tradição Congo/Angola no Brasil; por ser do Nkisi Dandalunda e por ela ter sido escolhido para cuidar de sua Onzo (Casa); por viver no Estado da Bahia e na cidade do Salvador; pelo carinho e respeito dos diversos irmãos e irmãs do Candomblé; pelos filhos e filhas de santo cujas divindades escolheram estar no Terreiro Mokambo; pela forma digna que recebi o sacerdócio e o exerço; pelo amor incondicional que sinto por zelar das divindades trazidas pelos nossos ancestrais”, disse tata Anselmo.

Tata Anselmo é o líder religioso do Mokambo

Emocionado, ela afirma estar agradecido também pelas lágrimas que fazem parte da sua aprendizagem religiosa.   “Obrigado por estes 42 anos que me trouxeram experiência, maturidade e a contínua construção da sabedoria própria dos religiosos do Candomblé. Obrigado por ter me colocado sobre a proteção do Caboclo Pena Dourada,  meu bem maior que durante toda a minha trajetória sempre insiste em me dizer que o candomblé se resume em aprender”, completa.

Resistência 

O Mokambo fui fundado em 18 de janeiro de 1996 e realiza diversas atividades relacionadas à divulgação e preservação da tradição angola-congo. Dar visibilidade aos benefícios da medicina com base em elementos naturais, trazida pelos povos angola, é uma das suas ações por meio das feiras de saúde.

No terreiro também funciona o Memorial Kisimbiê- Águas do Saber que conta a história de Jubiabá (Manuel Severiano de Abreu) e do  sacerdote João da Gomeia (João Alves Torres Filho). Também há referências a Mãe Mirinha do Portão (Altanira Maria Conceição Souza), pois a formação religiosa de tata Anselmo é herdeira da trajetória desses líderes religiosos.

 

7+
012 comentários

Escritor

Nasci em Cachoeira no recôncavo; cresci em Iaçu na Chapada Diamantina e vivo em Salvador. Transito, portanto, em três das áreas mais charmosas da Bahia. Sou jornalista, doutora em antropologia e mestra em estudos étnicos e africanos

12 Comentários

Arthur Barreto

Adorei a biografia. Já possui alguma obra publicada? Sou de São Roque do Paraguaçú, mas vim para o Rio com poucos meses, e hoje retorno à minha cultura pela mão do meu orixá.

0

Responder

Nubia campello

Muito interessante gostaria de saber mais
Eu amo Angola e sua raiz.
Obrigada

0

Responder

Marcos

Parabéns a Tata Anselmo pela sua dedicação já reconhecida. Neste momento, em que a obra que ajudou a firmar, juntamente com os orixás, colaboradores e Deus está sendo alçada a um patamar que trás um merecido reconhecimento, pela sua importância cultural, religiosa e social.

1+

Responder

Noelia Lisboa Vigna Teixeira

Felicidades para todos os componentes da casa, e me sinto muito agraciada por fazer parte desta família.
Sua bênção meu Tata Anselmo Santos!

1+

Responder

NEUZA MARIA ALVES DA SILVA

Enfim, chegou o dia do reconhecimento, que até pode demorar, como é de praxe… mas não pode faltar. Nem falhar! Não sei se parabenizo a jornalista pelo compromisso em dar visibilidade às manifestações religiosas e culturais tão próprias da Bahia, se parabenizo Taata Anselmo Minatoji pelo êxito de sua missão, se parabenizo a comunidade que recebe a atenção e o desvelo dos praticantes do Candomblé… ou se me parabenizo por estar tão próxima dos cuidadores dos inquices, cujo trabalho acaba de ser ainda mais valorizado!!!! Penso que o melhor mesmo é levantar e aplaudir de pé tudo isso que está acontecendo!!!!!!! Neuza Alves.

1+

Responder

Natália

Uhu!!! Moro ao lado, e fico muito feliz por esta conquista. Este terreiro já ajudou muito a nossa comunidade. For por sua causa e chegada que tivemos visibilidade. Parabéns Anselmo e terreiro mokambo.

1+

Responder

Leandro

Eu ainda não visitei mas em breve após a quaresma irei, eu tenho na raiz keto e Angola. Confirmado pela minha yalorixá que desencarnou se estivesse aqui 3 de maio completaria 101 anos. Eu sou neto de africano com Índia da tribo puri .

0

Responder

Dalila

Muito lindo o reconhecimento. Em qual cidade fica?

0

Responder

Cleidiana Ramos

Salvador, Dalila.

0

Responder

Joanice

Parabéns ao terreiro Mokambo e a você pela excelente matéria

0

Responder

LINDEMBERG ALVES (SENZA ROXE )

makuiu A bênção meus irmãos mais velhos e mais novos. …
Um orgulho imenso ver o reconhecimento merecido de um nzo nos angoleiros temos que manter nossas raízes e nossa cultura nossa fé

0

Responder

Roberto Francisco

Tata Minatogy parabéns por mais esta conquista. Vitória por sua luta diária que tem a frente Dandalunda, Kitembo e os Nkisis desta casa com a colaboração de todos os Tatas, Makotas e Muzenzas.

Mukuiu

Tata Gongomucongo

0

Responder

Deixe uma resposta

Siga @flordedende

error: Este conteúdo é protegido, por favor não copie.